>>


Receba as notícias do mandato por e-mail Cadastro
Cadastro
Ver como é o informativo

E-mail obrigatório.
Digite seu e-mail.


Sair da lista






PRINCIPAL * CURSOS DE ATUALIDADES * Europa
Imprimir Enviar para um amigo Indicar erro


Atualidades
21-03-2007
Alemanha

A+   A -


República Federal da Alemanha

Ocupando posição central na Europa, a Alemanha abriga a segunda maior população do continente. Seu território compreende planícies ao norte, planaltos ao centro e os Alpes ao sul. Fortemente industrializada, a nação possui o terceiro maior Produto Interno Bruto (PIB) do mundo, depois dos Estados Unidos e do Japão. Derrotado em duas guerras mundiais, o país esteve dividido por 40 anos em Alemanha Ocidental e Alemanha Oriental, funcionando como pivô do equilíbrio geopolítico europeu durante a Guerra Fria. A queda do muro de Berlim, em 1989, marca o início da reunificação, reforçando seu papel como país chave no cenário mundial e no processo de adoção do Euro, moeda da União Européia (UE). Embora a integração já se tenha completado, permanecem disparidades entre o oeste e o leste da nação. O alto custo da reunificação agrava os problemas econômicos. Depois de um fraco crescimento na década de 1990, a economia do país entra em recessão no fim de 2001. Apesar de alguns sinais de melhora experimentados em 2003 e 2004, no ano seguinte o país atinge a taxa recorde desemprego.

Dados gerais

Geografia - Área: 356.733km2. Hora local: + 4h. Clima: temperado. Capital: Berlim. Cidades: Berlim (3.388.477), Hamburgo (1.734.083), Munique (1.247.873), Colônia (965.954), Frankfurt (643.432). População: 82,7 milhões (2005); nacionalidade: alemã; composição: alemães 95%, turcos 2%, outros 3%. Idiomas: alemão (oficial), dialetos regionais. Religião: critianismo 75,8%, sem religião 17,2%,outras 4,8%, ateísmo 2,2%. Governo: República parlamentarista. Divisão administrativa: 16 estados. Presidente: Horst Köhler. Chanceler: Angela Merkel. Partidos: União Democrática Cristã (CDU). União Socialista Cristã (CSU),Social-Democrata (SPD),Democrático-Liberal (FDP),de esquerda (L), Verde. Legislativo: bicameral - Conselho Federal, com 69 membros; Assembléia Federal, com 614 deputados. Constituição: 1949. Economia: moeda: Euro. PIB: US$ 2,4 trilhões. Força de trabalho: 40,5 milhões.

Um pouco de História

A origem dos povos de grupo linguístico dos germânicos remonta a 1.700 A.C. Informações históricas precisas sobre a presença dos germânicos às margens do Reno,porém, datam das incursões romanas, no tempo de Júlio César, entre 55 A.C e 35 A.C. Com a desintegração do Império Romano em 476, são criados vários reinos germânicos, consolidados pelo Imperador Franco Carlos Magno, entre 772 e 802. Além de anexar a Saxônia, a Baviera, a Renânia e outras áreas ao domínio do recém criado Sacro Império Romano, Carlos Margno converte os germânicos ao cristianismo. O domínio franco encerra-se em 911, com a eleição, pelos duques germânicos, de Konrad I, o primeiro rei da Alemanha. Em 962, Otto I passa a ser imperador do Sacro Império Romano Germânico (o I Reich). Entre os séculos XI e XII, o domínio germânico expande-se a leste, mas as lutas entre os príncipes e os conflitos com o papado enfraquecem a centralização monárquica.

A Reforma Protestante e a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) contribuem para manter a fragmentação política. Em 1815, após o fim das guerras napoleônicas, é organizada a Confederação Germânica, sob a hegemonia da Áustria e da Prússia. As revoluções populares de 1848, marcadas pelo nacionalismo e por aspirações liberais, levam à formação do primeiro Parlamento germânico. Em 1862, Otto Von Bismark torna-se chanceler da Prússia, introduzindo um programa de desenvolvimento industrial e a mordernização do Exército. A unificação alemã envolve guerras contra a Dinamarca (1864), Áustria (1866) e França (1870). Em 1871, Guilherme I é proclamado Kaiser (imperador) do II Reich. A partir de 1880, a nação passa por nova expansão econômica.

República de Weimar

Sob Guilherme II, a Alemanha apóia o Império Austro-Húngaro contra a Rússia, o que leva o país à I Guerra Mundial. Com a derrota é proclamada a república, em 1919, na cidade de Weimar. O Tratado de Versalhes, que coloca fim ao conflito, proíbe o rearmamento alemão, impõe perdas territoriais e estabelece pesadas reparações de guerra. A república de Weimar (1919-1933) vive uma grave crise social e econômica. A inflação dispara em decorrência da emissão de moeda para o pagamento das dívidas de guerra. Em 1924, o país reorganiza seu sistema monetário e estimula a industrialização. Por cinco anos vive em relativa prosperidade, até ser atingido pela crise de 1929. Milhões de desempregados juntam-se ao Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, o partido nazista, liderado por Adolf Hitler.

Nazismo

Em 1933, Hitler torna-se chanceler (chefe de governo) e transforma a Alemanha em uma ditadura dominada pelos nazistas, chamada III Reich. Inicia o rearmamento do país e suprime liberdades políticas e civis. Em 1938, a Áustria e os Sudetos, região de língua alemã da então Thecoslováquia, são anexados por Hitler. A invasão da Polônia pelos alemães, em 1939, desencadeia a II Guerra Mundial. A Alemanha forma uma aliança militar com a Itália e o Japão, conhecida como Eixo, que obtém vitórias expressivas entre 1940 e 1942. Os nazistas criam campos de extermínio e matam milhões de oposicionistas, ciganos, judeus e homossexuais.

Após a derrota para os soviéticos na Batalha de Stalingrado , em 1943, o III Reich começa a ser expulso dos territórios ocupados. Em 1945, tropas aliadas invadem a Alemanha. Hitler suicida-se em abril, e, em maio, o país se rende incondicionalmente à União Soviética (URSS), Estados Unidos (EUA), ao Reino Unido (RU) e à França. Pelos acordos de Yalta e Potsdam, a Alemanha é dividida: os ocidentais ocupam o oeste e os soviéticos o leste. O país perde territórios para Polônia e para a URSS.

Guerra Fria

Em 1949, são criadas a República Federal da Alemanha (Alemanha Ocidental), capitalista, e a República Democrática Alemã (Alemanha Oriental), socialista. Berlim é dividida em duas. No governo do primeiro ministro Konrad Adenauer (1949 a 1963), a Alemanha Ocidental vive fase de prosperidade, estimulada pelo Plano Marshall, projeto de reconstrução da Europa capitalista, comandada pelos Estados Unidos. As duas repúblicas alemãs se tornam o centro do conflito entre EUA e URSS durante a Guerra Fria. Em 1948, os soviéticos ordenam o bloqueio de Berlim, rompido por uma gigantesca ponte aérea dos EUA. Em 1955, a Alemanha Ocidental ingressa na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), aliança militar ocidental. A Alemanha Oriental reage e adere ao Pacto de Varsóvia, bloco militar liderado pela URSS. Em 1961, autoridades orientais constróem o Muro de Berlim, com a finalidade de deter o fluxo de refugiados para o Ocidente. Em 1973, as Alemanhas Ociental e Oriental entram na Organização das Nações Unidas como Estados soberanos.

Queda do muro de Berlim

O dirigente alemão oriental Erick Honeker, no poder desde 1971, resiste à liberalização no bloco comunista, deflagrada em meados da década de 1980 na URSS. Em 1989, milhares de alemães orientais fogem para a Alemanha Ocidental pela Tchecoslováquia, pela Polônia e Hungria. Em outubro, manisfestações pró-democracia levam à substituição de Honeker por Egon Krenz. No mês seguinte, sob pressão, Krenz ordena a abertura do Muro de Berlim, que logo é derrubado pela população. O episódio dá início ao processo de reunificação. Na primeira eleição livre a Alemanha Ocidental, em 1990, vence a Aliança pela Alemanha, pró-unificação. Impulsionada pelo chanceler da Alemanha Ocidental, Helmut Kohl, realiza-se a união monetária e política. O novo Parlamento confirma Kohl no cargo de chanceler.

Alemanha reunificada

O país paga um preço alto pela reunificação, com aumento do desemprego. Num clima social tenso, os imigrantes sofrem atentados de grupos neonazistas. O governo impõe, em 1996, um programa de austeridade, com corte de benefícios previdenciários. A vitória do Partido Social-Democrata, em 1998, representa a maior derrota eleitoral da CDU no pós-guerra. Como não consegue maioria parlamentar, o SPD coliga-se com o Partido Verde e indica Gerhard Schröder como chanceler.

Escândalo Político

Uma investigação sobre suborno no governo, em dezembro de 1999, resulta no maior escândalo político recente no país. A Justiça descobre que o ex-chanceler Helmut Khol recebera contribuições ilegais no valor de US$ 1 milhão. Em janeiro de 2000, Khol renuncia à presidência honorária do partido.

Fatos recentes

Imigração - Nas últimas décadas, a Alemanha atrai milhares de imigrantes, o que alimenta o crescente sentimento xenófobo. Mas a estagnação demográfica - marcada por baixas taxas de natalidade e pelo envelhecimento da população, torna o país dependente de mão de obra estrangeira. Uma lei aprovada em 2002 favorece a entrada de estrangeiros altamente qualificados e impõe mais rigor contra a imigração ilegal. Eleições - A coalizão SPD-Partido Verde vence as eleições parlamentares de 2002, conquistando 306 assentos de um total de 603. Schröder mantem-se no poder. Em 2003, os social-democratas perdem para os democratas-cristãos as eleições estaduais de Hesse e Baixa Saxônia, estado de Schröder. Em maio de 2004, o candidato da coalizão CDU/CSU, Horst Köhler, ex-dirigente do FMI, vence a eleição presidencial indireta.

Nas eleições legislativas em setembro de 2004, o SPD perde cadeiras nos estados de Saarland, Brandeburgo e Saxônia para partidos da direita, nacional democrático e a esquerda. Mulher no poder - As impopulares reformas de Schröder levam o SPD à nova derrota para a CDU, em maio de 2005, nas eleições estaduais da Renânia do Norte-vestefália, último estado ainda governado pela coalizão SPD-Verdes. Em julho, Schröder perde deliberadamente o voto de confiança do Parlamento, o que permite antecipar as eleições legislativas, previstas para 2006. Realizado em setembro, o pleito tem resultado apertado. Após dois meses de negociações, Angela Merkel (CDU) torna-se a primeira mulher a assumir o cargo de chanceler da Alemanha, numa grande coalizão que inclui o rival SPD. A manutenção do governo, heterogêneo, deve exigir muita habilidade política de Merkel.

A economia alemã

A economia da Alemanha é a terceira do mundo, superada apenas pelos Estados Unidos e pelo Japão. O país apresenta o maior parque industrial de todo o continente europeu e suas empresas atuam hoje no mundo inteiro, inclusive no Brasil, onde ocupam setores chaves da nossa economia, como a indústria automobilística, como as fábricas da Volkswagen, por exemplo. O desenvolvimento industrial alemão teve seu primeiro impulso, após a unificação nacional ocorrida na segunda metade do século XIX, quando a junção de diversos principados deu origem a um país forte e determinado, sob a liderança do chanceler Otto Bismarck. O mesmo ocorreu com a Itália, cujo mapa atual também é fruto de unificação ocorrida no mesmo período, a década de 1870. Como sabemos, ao final da Segunda Guerra, a Alemanha foi dividida em duas. Então, o seu atual espaço territorial resulta da reunificação, ocorrida na década de 1990.

O Vale do Rio Reno

Tradicionalmente o Vale do Reno é o grande eixo da economia industrial alemã, principalmente pela facilidade do escoamento de produtos, através do rio, que é amplamente navegável. Próximo das fronteiras com a Bélgica e com a Holanda, cidades como Colônia, Dusseldorf, Essen e Dortmund praticamente se fundiram em um gigantesco aglomerado urbano. Nessa região, a bacia do pequeno Ruhr, afluente do Reno, concentra grandes ocorrências de carvão mineral, razão do seu poderoso parque industrial, tradicional e diversificado. A siderurgia e a indústria de máquinas praticamente estão concentradas na região do Ruhr, disputando sua localização com as minas de carvão, fontes de energia e matérias-primas para fabricação do aço. O setor químico, por sua vez, acompanha o curso do Reno, com destaque para a fabricação de fertilizantes, corantes, plásticos, medicamentos e borracha sintética, produtos com os quais a Alemanha desponta mundialmente.

Na indústria automobilística dessa região, o maior destaque é para a cidade de Colônia, onde está a principal unidade de produção da Ford, em território alemão. Mais para o sul, no rio Meno, outro afluente do Reno, localiza-se Frankfurt, metrópole e grande centro industrial e de prestação de serviços, em que está a fábrica do Opel, automóvel produzido pela General Motors, na Alemanha. Frankfurt é, sobretudo, o coração financeiro do país. Nessa cidade se localiza a principal Bolsa de Valores alemã. O sul da Alemanha, que compreende Baden-Wurtemberg e a Baviera,é, hoje, a região de maior crescimento econômico do país, com uma taxa de desemprego inferior à média nacional, e ponto de atração de um crescente fluxo migratório proveniente, sobretudo, da ex-Alemanha Oriental.

Três importantes cidades, Stuttgart, Munique e Nuremberg, dividem o espaço territorial dessa região que, hoje, é símbolo da modernidade alemã, onde estão indústrias de alta tecnologia, como as de informática, aeronáutica, automobilística e a fabricação de motores em geral. A fábrica da BMW está localizada em Munique; a da Daimler-Benz, que fabrica o Mercedes, hoje fundida com a Chrysler americana, em Stuttgart; a da Audi, em Ingolstadt, próxima de Sttutgart; além de uma unidade de produção da Ford, em Nuremberg.

O centro-norte e a parte leste

O centro-norte alemão, situado entre o vale do Reno e a ex-Alemanha Oriental, estende-se até o litoral do Mar do Norte, onde, próximo da foz do rio Elba, tem lugar o famoso porto fluvial de Hamburgo, até hoje o mais importante do país. Os grandes estaleiros alemães se localizam nessa cidade, assim como várias indústrias químicas, derivadas do petróleo proveniente do Mar do Norte. Além de Hamburgo, a cidade de Hannover é o outro grande centro industrial, pólo de uma área fabril, que se estende até Wolfsburg, em que está a sede mundial da Volkswagen.

O centro-norte é também um espaço agrícola tradicional, com grande produção de batata, cereais e pastagens que alimentam os rebanhos alemães. No leste do país, que até o início da década de 1990, compreendia o território da ex-Alemanha Oriental, a economia também tem suas bases na indústria, porém, suas fábricas são antigas, muitas delas sucateadas, sem condições de competir no mercado. Para Dresden e Leipzig, os dois grandes pólos industriais desta parte alemã, estão voltadas as atenções do governo e da iniciativa privada, na tentativa de modernizar e tornar competitivo o parque industrial do leste. Berlim, que voltou a ser a capital da Alemanha reunificada, passa por um acelerado processo de reconstrução, não apenas na estrutura física, mas principalmente no que diz respeito à sua posição de grande pólo nacional, rivalizada, nesse particular, apenas por Frankfurt.

COMPILAÇÃO FEITA A PARTIR DE:

- Almanaque Abril 2007, 33ª ed. São Paulo: Ed. Abril, 2007.

- AQUINO, JESUS, OSCAR. História das Sociedades Americanas. São Paulo: Ao Livro Técnico.


 

Imprimir Enviar para um amigo Indicar erro

 


Deputado Estadual Artur Bruno

1998 - 2014. Deputado Federal Artur Bruno - PT Ceará
Av. Desembargador Moreira, 2001 Salas 501/502, Dionísio Torres - Fortaleza/CE
Anexo 3 - Gabinete 467 - Brasília/DF

Telefones: (85) 3055-0968 | (61) 32155467
e-mail: arturbruno@arturbruno.com.br

Site produzido e atualizado pela assessoria de comunicação do mandato e TEIA DIGITAL