>>


Receba as notícias do mandato por e-mail Cadastro
Cadastro
Ver como é o informativo

E-mail obrigatório.
Digite seu e-mail.


Sair da lista






PRINCIPAL * CURSOS * Ásia
Imprimir Enviar para um amigo Indicar erro


Atualidades
30-06-2009
Indochina (Vietnã, Laos e Camboja)

A+   A -


01. A INDOCHINA

Indochina, ou Peninsula Indochinesa, é uma região do sudeste asiático, entre o leste da Índia e o sul da China. Inclui Vietnã, Laos, Camboja, e, às vezes, Tailândia e Myanmar - antiga Birmânia. O termo foi cunhado pelos franceses, que assim alcunharam sua colônia que compreendia os atuais países Vietnã, Laos e Camboja. O nome Indochina surgiu porque essa região fica justamente espremida entre duas grandes culturas asiáticas, a indiana (a oeste) e a chinesa (ao norte). Essas duas civilizações milenares tiveram forte influência sobre a vida e os costumes dos vários reinos que governavam a Indochina antes da expansão colonial européia.

a) História da Indochina

Historicamente, os países do Sudeste da Ásia foram influenciados culturalmente pela China e pela Índia, mas sobretudo por esta última. No Vietnã, no entanto, ocorreu o contrário. A influência indiana é residual e veio através da civilização Champa. Este era um reino hinduísta que ocupava a parte centro-sul do atual Vietnã, e existiu entre o século VII e 1832, entrando em declínio a partir do século X, por pressão do Dai Viet, senhores do atual Vietnã do Norte. Em 1832, foi anexado pelo imperador vietnamita Minh Mang. Até o fim da Idade Média (século XV) a região do Sudeste Asiático que mais tarde se transformaria na Indochina era uma área dominada por vários pequenos reinos locais.

Outras origens ficam por conta do antigo Império Khmer, monarquia absolutista budista que floresce entre o fim do século VIII e o século XVII, na região onde ficam atualmente, além do Camboja, a Tailândia (antigo Sião), o Laos e o sul do Vietnã. Na última década do século IX, Yasovaman I, rei dos Khmer, funda Angkor, que perma¬nece como capital da região até o século XV. Desde pelo menos o século XVII há se¬guidos ataques territoriais. Por causa das invasões vietnamitas e siamesas, no início do século XIX os domínios do Khmer já estão muito reduzidos, correspondendo ao atual território do Camboja.

No Século XVI os europeus começam a entrar na região, num processo que duraria 300 anos. Já no século XIX, os franceses dominam totalmente a porção mais ao sul do atual Vietnã, chamada Cochinchina. O resto da Indochina é controlado por um governo central francês, mas os antigos reinos locais ainda mantiveram alguma autonomia.

A Indochina foi colônia francesa entre meados do século XIX e meados do século XX. Ela englobava três países atuais: o Vietnã, o Laos e o Camboja. O domínio francês no território, visando a extração de matérias-primas como a borracha, estabeleceu-se gradualmente entre 1858 e 1893. No século XX, a região seria palco de vários acontecimentos polêmicos. No início da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), por exemplo, o avanço japonês na área levou o governo dos Estados Unidos a congelar todos os bens nipônicos em território americano. Um mês depois, os japoneses atacariam a base ianque de Pearl Harbor, colocando os dois países em guerra. Entre 1955 e 1975, seria a vez de a Indochina se transformar em cenário de outro importante conflito do século XX: a Guerra do Vietnã, que opôs os Estados Unidos ao Vietnã do Norte. Foi só após o final desse confronto que as fronteiras da região finalmente adquiriram o formato atual, dividindo-se em três países - Vietnã, Laos e Camboja.

b) Guerra da Indochina

Em 1941, durante a Segunda Guerra, os franceses perdem a região para as tropas japonesas. Na época a França estava sob domínio da Alemanha nazista e não ofereceu grande resistência. Parte da administração da Indochina, principalmente áreas do Camboja e do Vietnã, os japoneses delegam à aliada Tailândia. Quando os japoneses se rendem no final da Segunda Guerra (1945), a estrutura colonial da região começa a desmoronar. No norte do atual Vietnã, o líder nacionalista e comunista Ho Chi Minh anuncia a criação da República Democrática do Vietnã. As monarquias do Laos e Camboja hesitam em fazer o mesmo e esses territórios são reocupados pela França (1946). A França não aceita a independência do norte do Vietnã e tem início a Primeira Guerra da Indochina. O conflito acaba em 1954 com vitória das tropas de Ho Chi Minh. No acordo de paz, o Vietnã é dividido em dois países, o Vietnã do Norte, sob o regime comunista de Ho Chi Minh, e Vietnã do Sul, monarquia encabeçada por Bao DaI. O monarca é deposto no ano seguinte por Ngo Dinh Diem, que proclama a República no sul e assume a Presidência Aproveitando-se da derrota francesa, Laos e Camboja também conseguem se livrar do domínio colonial (1955). A paz na região dura pouco.

c) Guerra do Vietnã

A guerrilha comunista intensifica os combates no sul do Vietnã com a formação da Frente de Libertação Nacional, conhecida como Vietcong, que luta para derrubar o regime de Diem e reunificar o país. A Guerra do Vietnã começa em 1959 e opõe militares do Vietnã do Sul à guerrilha apoiada pelo Vietnã do Norte. Os EUA se envolvem no conflito em 1961 e ampliam seu apoio ao sul até a intervenção militar aberta, quatro anos depois. Os vietcongues resistem aos ataques com táticas de guerrilha. A violência e a continuidade da guerra levam a opinião pública dos EUA a opor-se à participação do país no conflito. Ho Chi Minh morre em 1969. Os bombardeios norte-america¬nos sobre Hanói, em 1972, e o bloqueio de portos norte-vietnamitas não dão resultado. No auge da guerra, os EUA têm cerca de meio milhão de militares envolvidos. Em 1973 aceitam o cessar¬fogo e retiram-se da região dois anos depois. Morrem no conflito mais de 58 mil norte-americanos e entre 1 milhão e 2 milhões de vietnamitas.

Com a retirada dos EUA, os comunistas ocupam Saigon, em abril de 1975, pondo fim à guerra. A cidade passa posteriormente a se chamar Ho Chi Minh. Em 2 de julho de 1976, o Vietnã é oficialmente reunificado sob o regime comunista, aliado da União Soviética (URSS). O governo naciona¬liza empresas, coletiviza a agricultura e reprime opositores. Milhares de pessoas são enviadas a campos de trabalho for¬çado. As tensões com a China aumen¬tam em 1978, quando o Vietnã invade o Camboja e derruba o regime do Khmer Vermelho aliado dos chineses, instalan¬do um governo pró-vietnamita. Em 1979, em represália, a China realiza ataques contra o Vietnã. Na década de 1980, o Vietnã mergulha numa crise econômica, agravada pelo embargo comercial imposto pelos EUA e pelo alto custo da presença militar no Camboja.

d) Crises e Doenças

A crise financeira no Sudeste Asiático atinge o Vietnã em 1998, com queda acentuada na cota¬ção da moeda. O volume de recursos estrangeiros dirigidos ao país em 1999 cai de forma drástica em relação ao ano anterior. Em julho de 2000 começa a funcionar a primeira bolsa de valores no país desde a II Guerra Mundial.

Em 2004, o governo confirma as pri¬meiras mortes de seres humanos causadas pela gripe avíária. A Indochina é bastante afetada sendo o Vietnã é o país mais afetado pela doença, mas também o que mais obtém sucesso em seu controle, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2006.

02. VIETNÃ

A República Socialista do Vietnã é um país do Sudeste Asiático de 329.315 km² de área, situa-se na Península da Indochina, de território estreito e alongado, em forma de "S", banhado pelo mar da China Meridional e pelo golfo de Tonkin. Montanhas, planícies, selvas e grandes rios que deságuam em férteis deltas são as principais características da paisagem vietnamita. No noroeste, na fronteira com a China, entre os rios Vermelho e o seu afluente Negro, encontra-se o pico mais elevado da nação, o Fan Si Pan, de 3,1 mil me¬tros. Na região central, orientada na direção noroeste-sudeste, estende¬-se a cordilheira Anamita, espécie de coluna vertebral do país. No leste, na costa do golfo de Tonkin, encontra-se o delta do rio Vermelho. Final-mente, no sul, situa-se a planície sedimentar do Mekong. Tanto nesse rio como no Vermelho foram construídos diques para diminuir os danos das cheias.

Quase todo o país é coberto por densa vegetação selvagem (floresta tropical), em que se destacam as tectonas, vários tipos de pinheiros, seringueiras bambus. O clima é tropical de monção, com altas temperaturas e pre¬cipitações abundantes. Os invernos, porém, costumam ser secos relativamente frios.

a) Economia

Os principais produtos agrícolas vietnamitas são arroz, cana-de-açúcar, mandioca, café, chá e soja. A silvicultura é pouco desenvolvida. Criam-se suínos, bovinos e aves. Além da pesca, também se pratica a piscicultura.A mineração fornece antracito, carvão, fosfato, ouro, cobre, estanho, zinco, cromo, petróleo e gás natural.

A indústria se destaca nos ramos siderúrgico, mecânico, eletrônico, têxtil, químico, alimentício, de papel e de material de construção. Pouco mais de metade da energia consumida é gerada em usinas hidrelétricas; o restante provém de termelétricas.

O país sofre as conseqüências dos mais de 15 anos da Guerra do Vietnã (1959/1975) e da ação dos Estados Unidos (EUA) no conflito. Os bombardeios norte-americanos com o desfolhante químico "agente laranja" destruíram grandes áreas agrícolas e de floresta, ainda não recuperadas. Na década de 1990, o governo adota modelo seme¬lhante ao da China, combinando libera¬lização econômica e regime de partido único. Três décadas após o fim da guerra, os EUA são o principal parceiro comercial do país. Membro da Organização Mundial do Comércio (OMC) desde 2007, o Vietnã registra nos últimos anos O maior cres¬cimento econômico entre as nações do Sudeste Asiático, detém um PIB de US$ 61 bilhões, sua moeda é o dongue.

b) População

Com uma população de 88,5 milhões de habitantes onde o grupo étnico dos vietnamitas, cujas origens estão relacionadas com os chineses do sul, constitui 87% dos habitantes do país. Existem, além disso, várias minorias, concentradas principalmente nas áreas de montanha, como as comunidades tai, hoa e khmer. Apenas 26% da população é urbana. A influência chinesa fez do budismo a religião majoritária (48,8%). O vietnamita é a língua oficial, mas também se falam francês, chinês e inglês.

03. CAMBOJA

O Reino do Camboja é um país do Sudeste Asiático, de 181.035 km², banhado pelo golfo da Tailândia, cor¬tado por três grandes cadeias de mon¬tanhas. No noroeste se localiza o Sitio Arqueológico de Angkor, patrimônio da humanidade. Sua principal construção é Angkor Wat, templo budista do século XII, considerado o melhor exemplo da arquitetura do antigo Império Khmer. O Camboja é uma das nações mais pobres da Ásia e a maioria de sua população tra¬balha na agricultura Nos últimos anos, a confecção de roupas torna-se a principal fonte de divisas do país, respondendo por quase 80% das exportações em 2005.

O elemento mais característico do rele¬vo cambojano é a planície aluvial que ocupa a parte central do país. Ela é atravessada de norte a sul pelo rio Mekong, curso central de um vasto sistema hídrico que, além de vários rios, inclui o Tônlé Sap (Grande Lago). Na estação seca, o Tônlé Sap possui 2,6 mil quilômetros quadrados; na chuvosa, a área quadruplica. Nessa época, a zona central do país fica inundada. A sudoeste,a planície está separada da costa pela cordilheira de Cardamomos. Na região norte ficam os montes Dangrek.

Mais de metade do território é coberta por florestas. Algumas das espé¬cies mais encontradas são seringueiras, palmeiras, coqueiros e bananei¬ras. O clima é tropical, com altas temperaturas durante todo o ano. As chu¬vas e o vento das monções marcam o clima de abril a outubro.

a) População

Detém por volta de 14,7 milhões de habitantes, onde cerca de 90% da população pertence à etnia cambojana dos khmer; 5% são vietnamitas e 3%, chineses. A grande maioria pratica o budismo (85,6%). A língua oficial é o khmer, mas também são falados vietna¬mita, chinês e francês.

Ex-colônia francesa, o Camboja esteve entre 1975 e 1979 sob o con¬trole da organização de esquerda Khmer Vermelho, que des¬locou milhões de pessoas para o campo e perseguiu a população mais instruída, a elite econômica e a oposição ao regime. Calcula-se que entre 800 mil e 1,7 milhão de cambojanos tenham morrido de fome, de doenças ou nos campos de extermínio durante o governo do Khmer, dirigido por Pol Pot. Após anos de turbulência em razão de disputas políticas, a nação vive período de relativa estabilidade e desenvolvimento.

b) Economia

O Camboja ainda se recupera dos conflitos ocorridos entre os anos 1970 e 1980,quando o Khmer Vermelho instalou um regime de terror no país. A economia é muito dependente do setor primário, cujo principal produto é o arroz, que ocupa 80% do solo cultivado. Também são produzidos milho, mandioca e cana-de-açúcar. Criam-se bovinos, búfalos, suínos e aves. As florestas fornecem borracha, mas ainda são pouco exploradas por falta de infra-estrutura. Extraem-se sal, zircônio, safiras e rubis. A indústria se dedica ao refino do petróleo e à produção de cimento e borracha. Toda a eletricidade provém de usinas termelétricas.O PIB cambojano é de US$ 7,3 bilhões, sua moeda é o riel.

04. LAOS

República Popular Democrática do Laos, com 236.800 km², é o único país da pe¬nínsula da Indochina sem saí¬da para o mar, o Laos é uma ex-colônia france¬sa localizada no Sudeste Asiático. Somente em pequena parcela das terras é possível plantar. Ainda assim, mais de 75% da população economi¬camente ativa trabalha no campo. O produto agrícola mais importante é o arroz. Também são produzidos, ilegalmente, ópio e heroína, em grande quantidade. Sucessivas lutas contribuíram para que a nação fosse considerada uma das mais pobres da Ásia. Há conflitos entre o poder central e a minoria mongue. Governado por um regime comunista, o Laos passa por lenta abertura na economia.

A princi¬pal característica do relevo são as montanhas, que cobrem cerca de 90% do território, formando duas cadeias: uma no norte e outra no sul. A primeira, densamente arborizada,abriga a maior altitu¬de do país, o monte Phou Bia, de 2,8 mil metros. No sistema do sul, as elevações não chegam a atingir 2 mil metros. Também no sul, e no sudoeste, estende-se uma pequena área de terras baixas.

O rio mais importante é o Mekong, a principal via de transporte do país, que marca a fronteira com a Tailândia e segue para o Camboja. Ele tem inúmeros afluentes que nas¬cem nas montanhas e correm por vales profundos. Quanto à vegetação, mais da metade do país é coberta por florestas que possuem espécies de grande valor comercial, como a tectona e a seringueira. O clima é tro¬pical, com temperaturas que variam conforme a altitude. O período entre maio e outubro é marcado pelas chuvas e pelos ventos de monção.

a) População

Pouco povoado, com apenas 6 milhões de habitantes, o Laos abriga diversos grupos étnicos. O principal grupo étnico é o dos laosianos, que compõem 50% da população. Em seguida vêm os tais (20%), futeus (15%) e grupos menores de miaos, mongues, iaos e outros. As principais religiões são as crenças tradicionais e o budismo (43,1%). O idioma oficial é o laosiano.

b) Economia

O Laos cultiva arroz, batata, frutas, tabaco, algodão e café. O principal rebanho é o de suínos, seguido de perto por bovinos e búfalos. O subsolo, pouco explorado, contém reservas de estanho, carvão, ferro, chumbo, zinco e pedras preciosas. Os ramos mais importantes da indústria são o mecânico e o de material de construção.Toda a eletricidade utilizada no país é gerada em usinas hidrelétricas. O Laos tem um PIB de US 3,4 bilhões, sua moeda é o quipe.

COMPILAÇÃO FEITA A PARTIR DE:

- HELLERN, NOTAKER e GAARDER. O livro das Religiões. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

- Almanaque Abril 2008, 34ª ed. São Paulo: Ed. Abril, 2008.

- ARRUDA, J. e PILETTI, N. Toda a História, 4ª ed. São Paulo: Ática, 1996.

- Atlas National Geografic, livro 08: Ásia II. São Paulo: Ed. Abril, 2008.

- http://www.wikipedia.org

 

Imprimir Enviar para um amigo Indicar erro

 


Deputado Estadual Artur Bruno

1998 - 2014. Deputado Federal Artur Bruno - PT Ceará
Av. Desembargador Moreira, 2001 Salas 501/502, Dionísio Torres - Fortaleza/CE
Anexo 3 - Gabinete 467 - Brasília/DF

Telefones: (85) 3055-0968 | (61) 32155467
e-mail: arturbruno@arturbruno.com.br

Site produzido e atualizado pela assessoria de comunicação do mandato e TEIA DIGITAL